terça-feira, 1 de dezembro de 2015

A magia do Natal




Em nenhum lugar do universo aquela noite foi igual as outras.
Na Terra a luminosidade do Universo a fez mágica, todo ser vivente sentia-se envolvido por uma atmosfera que os enchia de paz, uma paz inexplicável, repleta , que acalmava os anseios de seus corações até dos mais endurecidos.

Em Belém vinha ao mundo o Messias, o Iluminado, tão esperado.
Este momento fora muito divulgado pelos profetas da antiguidade, não era só conhecimento dos judeus, muitas localidades do mundo antigo o sabiam.
Era importante desde o início que Ele fosse divulgado, sua vida, sua missão, para todos os povos.


Afinal desde sempre, esta sua última vinda a Terra estava determinada.
Das outras vezes que viera, sua passagem fora importante, marcante, transformando hábitos, plantando sementes dos verdadeiros valores, dando um impulso na evolução da humanidade, mas as que aconteceram na humanidade primitiva, ficaram esquecidas, enterradas nas areias do tempo.


Mas desta vez não, desta vez seria a última vinda, colocaria o ponto final em seus ensinamentos, seria a lição mais importante, aquela que sem precisar das outras resumia tudo o que anteriormente semeara.

Por isto desta vez não só exemplificaria, como também, deveria sofrer na carne o desamor humano, para que desta forma o seu maior ensinamento não se perde-se, mas criasse raiz profunda vencendo o tempo e o espaço.

Sim, aquela noite foi a mais importante deste planeta, e a Espiritualidade rendia Graças a Ele pelo seu grande amor a toda criação de Deus, Seu Pai, Nosso Pai.


Toda criação por que o seu sacrifício não foi só benéfico ao Homem, mas a toda criação Divina, a toda vida do planeta, este Homem é quem tinha a condição de receber e entender os grandes ensinamentos praticando-os em favor de toda vida do p,laneta.

Como aquela noite não existiu e nem existirá, Ele cumpriu a missão, deu-se à humanidade até o último suspiro de seu corpo carnal e ainda voltou como espírito para dar a prova maior àqueles que deveriam propagar os seus ensinamentos.
Os apóstolos, os discípulos muito bem o fizeram, no entanto com o passar dos séculos os ensinamentos foram distorcidos, a radicalidade imperou e impera até hoje e nós perguntamos: Como puderam esquecer?

É tão fácil de lembrar, para facilitar Ele resumiu em poucas linhas: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.


Simples e claro, não adianta criar leis, dogmas, inventar nomes para as suas doutrinas, encher cofres de igrejas, santuários, templos, de nada vale nada disso.
Apenas amem a Deus e a seu próximo, com suas diferenças de ser e de opiniões, ninguém é dono da verdade.

 Ele mesmo disse: “Porque me chamas de bom? 
Bom apenas o Pai que me enviou o é”.
Isto já diz tudo por si só. Se querem mesmo dar Graças pelo seu nascimento na Terra o façam dia após dia seguindo a sua única e maior lei, assim quando chegar o natal a alegria será de vocês de poderem olhar os céus com a consciência tranquila que não desapontaram Aquele que sem necessitar deixou-se imolar por vocês, por nós".

ditado por Áspargos
psicografado por Luconi