segunda-feira, 20 de outubro de 2014

*-* Palavras Doces *-*

                           O que revela a nossa força não é sermos imbatíveis,
incansáveis, invulneráveis. É a coragem de avançar, ainda que com medo. É a vontade de viver, mesmo que já tenhamos morrido um pouco ou muito, aqui e ali, pelo caminho. É a intenção de não desistirmos de nós mesmos, por maior que às vezes seja a tentação. São os gestos de gentileza e ternura que somente os fortes conseguem ter.

Que todo mundo tenha…
O verso mais bonito.
A música que não se esquece.
O par pra toda dança.

Eu precisei percorrer muito caminho para entender que um dos maiores tesouros da vida humana, talvez o mais precioso, é a capacidade essencial de sentir amor e saber expressá-lo. E que boa parte das confusões, das discórdias, das invejas, das doenças, das armadilhas, surge da profunda dor que causa a temporária incapacidade de descobrir onde ele está.


- Mãe, é Deus quem acende as estrelas no céu pra gente quando fica de noite?
Olhavam para o céu, sentadas lado a lado no balanço, quando a menina fez a pergunta. A mãe a olhou com um sorriso que parecia maior do que o próprio rosto. Do que o próprio corpo. Do que aquele jardim.
- É. Ele acende as estrelas no céu todas as noites para nos lembrar que cada um de nós, aqui na Terra, precisa acender a estrela que dorme no próprio coração. Ela só acende quando acorda. Cada pessoa que consegue acendê-la também vira um pontinho luminoso para quem olha lá de cima.
A menina ficou bastante atrapalhada com aquela novidade: ninguém nunca havia lhe contado que existia uma estrela dormindo no coração das pessoas. Já sabia que existiam algumas coisas com nomes esquisitos dentro dela, coisas que não podia ver nem tinha idéia de como eram. Mas, uma estrela?! Muito curiosa, silenciou um pouquinho para imaginar a tal estrela dorminhoca. Será que ela também dormia com edredom? Vai ver sentia frio, já que ainda estava apagada.
- E como é que a gente faz pra acordar essa estrela, mãe?
A mãe lhe deu um abraço demorado, daqueles que adorava dar, capazes de criar calor mesmo em noites frias como aquela. Depois, olhou bem dentro dos olhos intrigados da menina, pousados nela o tempo todo, ansiosos pela resposta.
- Ela acorda quando a gente ama. 

Ana Jácomo